Mitos sobre o suicídio

Ter ideias de suicídio é muitas vezes visto como uma espécie de sentença que marca o indivíduo para sempre. Porém, a ideação suicida não é uma marca ou rótulo, é um sinal de que o indivíduo está a sofrer profundamente e deve procurar ajuda. Todas as ideias pré-concebidas que existem ao redor da temática do suicídio só contribuem para a desinformação e, consequentemente, para a construção do estigma que envolve o suicídio e as doenças mentais.

Estas falsas informações podem impedir as pessoas de procurar a ajuda que precisam, colocando-se potencialmente em risco. Desmistificá-las contribui para uma sociedade mais informada, que percebe a importância de ajudar outros a procurarem ajuda e tratamento, e que mostra aos indivíduos a importância de enfrentar os problemas de saúde mental. 

Em seguida, apresentamos aqueles que são os mitos mais comuns, bem como os factos que os contradizem:

Mito: Se alguém fala sobre suicidar-se, é pouco provável que o faça.
Facto: Muitas pessoas que morreram por suicídio tinham comunicado, implícita ou explicitamente, os seus sentimentos, pensamentos ou planos.

Mito: O suicídio é sempre um ato impulsivo.
Facto: Muitas pessoas tiveram pensamentos de suicídio e planearam o ato antes de se suicidarem.

Mito: O suicídio é uma resposta expectável ou natural ao stresse.
Facto: O suicídio é uma resposta anormal ao stresse. Toda a gente experiência stresse ao longo da sua vida, mas nem toda a gente faz uma tentativa de suicídio.

Mito: O suicídio é causado pelo stresse.
Facto: As tentativas de suicídio podem acontecer após um acontecimento que provoque grande stresse, mas este acontecimento é habitualmente um gatilho para o comportamento, não a causa do suicídio.

Mito: Quem pensa em suicidar-se tem sempre a intenção de morrer e não aceita ajuda.
Facto: A intensidade dos pensamentos de suicídio é muito variável ao longo do período de crise. Muitas pessoas que tentam ou morrem por suicídio lutam contra estas ideias de morte.

Mito: As pessoas que morrem por suicídio são egoístas e fracas.
Facto: Muitas pessoas que morrem de suicídio estavam, na verdade, doentes. A doença pode ou não ter sido diagnosticada antes do ato suicida, mas a grande maioria (mais de 9 em 10) das pessoas tinham uma doença psiquiátrica.

Mito: Alguém inteligente e bem-sucedido nunca tentaria o suicídio.
Facto: Tenha em atenção que os pensamentos de suicídio são muitas vezes mantidos em segredo. O suicídio não tem fronteiras demográficas, étnicas, culturais ou socioeconómicas.

Mito: Falar sobre suicídio com alguém deprimido vai levá-lo a tentar o suicídio.
Facto: Muitas pessoas deprimidas que têm pensamentos ou planos de suicídio sentem-se aliviadas quando lhes é oferecida ajuda. Falar sobre suicídio com uma pessoa deprimida não a encoraja a suicidar-se.

Mito: Não há nada a fazer para evitar o suicídio.
Facto: Muitas pessoas que tentam o suicídio sofrem de uma doença psiquiátrica que responde a um tratamento. O tratamento apropriado da doença reduz significativamente o risco de suicídio. Por exemplo, o risco de suicídio associado à depressão habitualmente diminui com o tratamento desta.

Mito: Alguém que tenta ou fala sobre suicidar-se só quer chamar a atenção.
Facto: Em alguns casos, a tentativa de suicídio é a razão para o pedido de ajuda (nomeadamente nos serviços de saúde). Um pedido de ajuda desesperado não é o mesmo que uma chamada de atenção.

Mito: O risco diminui após uma tentativa de suicídio.
Facto: As tentativas de suicídio prévias são o mais importante fator de risco para a morte por suicídio.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Mais recursos

Como elaborar notícias sobre suicídio?

Os media têm responsabilidade na disseminação correta de informação e na consciencialização para a problemática do suicídio e da saúde mental. Aqui são dadas as prinicpais indicações a seguir quando se dá uma notícia sobre suicídio.

Ler mais